segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Portfólio - Diógenes Neto 

Portfólio referente as minhas aulas e experiencias na matéria  de expressão tridimensional 3











                                        







Caderno do Artista - Márcia Lílian Moreno

Caderno do Artista - Márcia Lílian Moreno

O livro do Artisia foi feito com folhas de papel de ofício A4 costuradas com barbante e a capa foi feita com papel paraná e forrada com tecido.









Escultura, Intervenção e Livro de artista


A partir do amadurecimento do conceito da primeira ideia para a escultura de construção,norteei todos os meus trabalhos da disciplina.

Ideia: Trabalhar com a calma e a suavidade das memórias, a transformação das vivências em sabedoria.
Os momentos de paz
, a busca de um equilíbrio.

Os trabalhos foram desenvolvidos após o estudo de materiais, músicas, experiências pessoais, referências visuais da artista Ana Tereza Barboza e a intenção de utilizar linhas e habilidades manuais como costura, encadernação e bordado nas obras.

Processo da escultura de construção

 Limpeza das peças encontradas na A Ponta:



Desenhos e montagem da peça:






Instalação A Paz dela

Consistiu na entrega de mensagens a pessoas na barra, de uma forma delicada e singela, de forma que as pessoas se sentissem presenteadas e não descartassem o objeto de imediato, podendo levar para casa e refletir sobre a mensagem ou passar para outras pessoas. Esse trabalho também foi uma homenagem a minha avó materna.

Serigrafia em tecido para impressão das mensagens



Recorte das mensagens



Pintura das caixinhas de fósforo e finalização


Ação na Barra


David Jones & Ulisses Júnior
Intervenção no Centro de Lauro de Freitas
Preciso Chegar no X

     Diante da possibilidade de desenvolver o trabalho mais próximo à área onde eu moro, optamos por realizar a intervenção em Lauro de Freitas, em sua praça central. Nos aproveitamos da proposta que eu já vinha fazendo em torno de aviões de papel e direcionamos o trabalho a convidar de alguma maneira as pessoas a participarem.
     A ideia era perceber a atitudes das pessoas diante da proposta repentina de diversão, proposta figurada no avião de papel. Tendo isso em mente, em uma maneira de chamar a atenção das pessoas, confeccionamos alguns aviões de papel e escrevemos em cada um deles a seguinte mensagem:

    -"Preciso Chegar ao X"    "Me Joga?"

    Depois de feitos os aviões, procuramos por um espaço aberto onde eles pudessem ser vistos, onde houvesse circulação e onde pudéssemos colocar o X que tínhamos anunciado em nossos aviõezinhos. A primeira opção foi a praça principal do Centro de Lauro em frente a uma igreja. O espaço era ótimo em relação à visibilidade, distâncias e objetos para dispor nosso X. Porém a circulação era escassa e as 3 únicas famílias que passaram pelos objetos o ignoraram. da parte das crianças que com eles estavam já era esperado, visto a pouquíssima idade. Porém a atitude dos adultos de simplesmente não atentar para o objeto, mas desviar de pisar nele, o que demonstra que eles o viram, é algo que foi observados mais vezes.
     Visto que no primeiro espaço escolhido nossa intervenção não recebeu visibilidade, migramos para uma praça ao lado onde a circulação de pessoas era certamente melhor, porém a composição do espaço menos agradável.
     Experimentamos colocar os aviões dessa vez mais próximos ao X, que foi colocado em uma árvore. Novamente os adultos observavam os aviões e passavam direto. Mas desta vez ele não escapa aos olhos das crianças passantes, que se apressam em pegar mais de um. Porém o impulso da brincadeira sublima a mensagem contida no papel e elas simplesmente ignoram o X e a necessidade de acertá-lo. A primeira criança conseguiu chegar a essa parte de tentar acertar o alvo porque seu pai percebeu a mensagem e acompanhou a montagem do espaço de longe. Mas o restante pegou o avião e levou o avião e brincou com seus próprios termos.
      Tentamos até premiar as que conseguiram o feito com balas, mas era um tanto constrangedor se tratando de menores de idade.
      As conclusões que podemos tirar a partir disso é primeiramente que, mesmo a brincadeira sendo algo divertido, pessoas de idade avançada tendem a rejeitar a curiosidade e seguir seu curso sem se incomodar. as crianças reconhecem uma forma e assimilam uma oportunidade de brincar, independentemente da proposta de brincadeira. Lembrando que ambas as conclusões são tomadas sem o intuito de causar generalizações.






O quadro que conta histórias .
Stop Motion Entre e fique a vontade, livro. Por: Thiala Magalhaes


domingo, 21 de dezembro de 2014

David Jones
Livro do Artista
Avião de Papel Auto-Explicativo

    Uma das experiências de intervenção ambiental que me foi mais envolvente foi o simples e divertido momento de descontração com meus colegas de turma após eu dar a eles aviõezinhos de papel. Um objeto barato e algumas dobras que previamente explicadas são muito fáceis de fazer. Este objeto já tem uma forte ligação emocional comigo devido ao fato de meu pai, que é fissurado nos grandes objetos voadores, ter me ensinado suas formas de criar aviões de papel eficientes que voem graciosamente e por muito tempo.
     Visto minha vontade de tornar possível essa brincadeira ao desfrutar de qualquer um independentemente da minha presença, busquei desenvolver um papel que contivesse em si todas as dicas necessarias para fazer um avião de papel eficiente.
      Usando alguns modelos encontrados na internet e experimentando alguns de ciência própria, busquei por um modelo que me satisfizesse em alguns quesitos principais: Teria que voar bem; ser feito com poucas dobraduras; ter um conjunto de dobras que possibilitasse a criação de um manual em cima dele.
       Fui tentado a utilizar do modelo que meu pai a muito tempo me ensinou, mas visto que esse modelo é complexo e é eficiente mais em seus detalhes do que em sua forma geral, optei por um que achei pela internet.

  
     Tendo já escolhido o modelo, dissequei ele e fiz algumas tentativas de entender para além da sua ordem, mas quais eram os pontos de referências cruciais para colocar indicações ao usuário do produto. Tendo sinalizado devidamente esses espaços, busquei perceber quais seriam as melhores palavras para indicar ao usuário o que ele deveria fazer em cada etapa. Era crucial ser sucinto e mandar a mensagem com eficiência. Percebi que complementar tudo com um simples recurso de pictogramas legíveis poderia não só facilitar o entendimento como se relacionar à estética do trabalho. As cores seguiram uma ordem para comunicar a distância que o usuário estava do final. Porém foi essencial diminuir a saturação das cores para que o uso da tinta sobre a superfície do papel não prejudicasse o voo do modelo. Um arquivo pdf que pode ser baixado e usado por qualquer pessoa foi montado para cumprir a meta do projeto: Avião de Papel fácil e prático para todos.